ARTIGO
Desrespeitar a ‘meia-entrada’ para idosos é ilegal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

 

Por Sheila Torquato Humphreys 

A meia-entrada do idoso está baseada na Lei 10.741/2003 – Estatuto do Idoso –, que em seu artigo 23 fala da participação do idoso em atividades culturais e de lazer que serão proporcionadas com descontos de pelo menos 50% nos ingressos para eventos artísticos, culturais, esportivos e de lazer. Para a lei, considera-se idosa a pessoa com 60 anos ou mais. 

Este entendimento não é mero conselho ou orientação para os estabelecimentos, é uma norma imperativa, ou seja, existe uma obrigação para as casas de espetáculo e de lazer em proporcionar o desconto legalmente previsto para o idoso, mediante a comprovação de sua condição (apresentação de identificação válida). 

Por mais que seja um direito garantido por lei, a meia-entrada ainda gera muitas dúvidas, como, por exemplo, em quais estabelecimentos e sob quais circunstâncias o desconto é devido para o idoso e principalmente, se é devido e não fornecido, como proceder nesses casos? 

O idoso tem direito à meia-entrada, pagando assim metade do valor estipulado ao público geral para o ingresso a espetáculos culturais, eventos esportivos, cinemas, exposições, teatros, espetáculos musicais, museus, entre outros. Quando adquirir o ingresso deve comprovar sua condição com documentos de identificação (como RG ou CNH) válidos na bilheteria. 

Se o estabelecimento recusar-se a fornecer o desconto é preciso guardar o comprovante pago pelo ingresso integral e dirigir-se ao Procon para efetuar a reclamação portando consigo seu RG, CPF e comprovante de residência. Nesses casos, o estabelecimento poderá receber sanções administrativas, que incluem entre outras, multas e possível suspensão de alvará de funcionamento. 

Existem, ainda, dois fatos para ficar atento referente ao desconto da meia-entrada

É comum a venda generalizada de ingressos com desconto de 50% mediante a doação de alimentos, por exemplo. Neste caso, o idoso mantém o direito a pagar meia-entrada do valor cobrado, ou seja, pagaria a metade da metade. 

Existem ainda eventos que procuram burlar a meia-entrada anunciando “preços promocionais” como alternativas ao desconto dos 50% garantidos por lei. O argumento que trazem é que o preço cobrado promocionalmente já é a meia-entrada, não necessitando aplicar novamente o desconto. 

Imagine a seguinte situação: o valor cobrado integralmente de um ingresso, sem nenhum desconto, custa R$ 200,00; o preço da alegada “promoção” cobrado pela organização é de R$ 130,00; o preço de quem teria direito a meia-entrada é de R$ 100,00. Ao adquirir o ingresso, o consumidor é informado do valor de R$ 200,00, mas que a organização abaixou o preço para R$ 130,00 e que este será o efetivo; por ter feito um “desconto”, muitos promotores de eventos então informam que não aceita a aplicação da meia-entrada por já ter uma redução do preço real. 

Contudo, esta prática viola o preceito da MP 2.208/01, que estipula o desconto concedido sobre o valor efetivamente cobrado; portanto a alegação de que não se pode aplicar o desconto da meia-entrada porque já houve um desconto prévio aplicado pelo próprio evento ou local é inválida e viola o direito garantido pelo idoso por lei. Se a evento ou local optou por reduzir os seus preços, foi por livre vontade, não poderá sancionar um direito legal do idoso por escolhas promocionais particulares da instituição. 

Com isso, pegando o exemplo mencionado acima, o valor do ingresso que deveria ser praticado para o idoso que apresenta os requisitos da meia-entrada seria o de R$ 65,00, metade do ingresso “promocional” de R$ 130,00 e não a metade o valor do ingresso integral. 

Para finalizar, deve haver uma clara distinção entre idoso e aposentado: o aposentado não tem direito a meia-entrada, pois nem todo aposentado entra na categoria do Estatuto do Idoso que prevê os benefícios do desconto. A meia-entrada é para pessoas com 60 anos ou mais; pode-se ser aposentado com menos de 60 anos, portanto não auferindo as vantagens do estatuto. 

* Sheila Torquato Humphreys é mestre em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e especialista em Direito do Trabalho pela PUC-PR. É professora de Direito do Trabalho e Processo do Trabalho na Faculdade Paranaense (FAPAR) e, também, sócia no Torquato Tillo Advogados Associados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

7 Responses

  1. Boa tarde,

    Gostei muito desse artigo pois tirei muitas dúvida, só fiquei em dúvida a respeito dessa.Sou uma senhora de 62 anos ,frequento academia á algum tempo e sempre paguei o preço integral. Gostaria de saber se tenho direito a pagar a metadea?

    1. Olá, Lourdes

      A Lei Federal nº 10741/2003, conhecida como Estatuto do Idoso, estabelece que os idosos têm  50% de desconto no pagamento em eventos culturais, de lazer, artísticos e esportivos.

      Academia não é “evento”

    1. Beatriz

      Se for ingresso para espetáculos culturais, eventos esportivos, cinemas, exposições, teatros, espetáculos musicais, museus, sim. Para passar o dia no hotel é preciso checar com um advogado.

  2. Prezados,  as informações acima foram muito úteis, porem no meu caso não sou idoso e sim aposentado. Muitos shows e eventos eu tenho direito em São Paulo de 5-% de desconto. Porem  uma casa especifica de Swow e dança não quer me dar o direito , alegando que eu não sou idoso.

    Qual o procedimento que devo tomar?

    Muito grato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore