Procon-SP cria canal para denúncia de preços abusivos dos combustíveis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
A denúncia sobre os preços dos combustíveis tem de ser comprovada com documentos ou dados do posto | Foto: Divulgação

O consumidor pode fazer a denúncia dos preços dos combustíveis no site, pelas redes sociais, atendimento eletrônico e pelo telefone 151 do Procon-SP

A fim de combater práticas abusivas na formulação de preços e o comércio de combustíveis adulterados, o Procon-SP criou um canal específico para denúncias e queixas contra postos de combustíveis. Ele pode ser acessado pelo site, redes sociais, atendimento eletrônico e pelo telefone 151. Mais de 4.521 consumidores já registraram reclamações de preço abusivos nos combustíveis, sendo 1.429 com informações suficientes para a notificação e possível multa dos postos denunciados.

Conforme o Procon-SP, a prática abusiva é prevista no Código de Proteção e Defesa do Consumidor (Seção IV, das Práticas Abusivas, art. 39 Inciso X) que trata da elevação de preços de produtos e serviços sem justa causa. É importante esclarecer que o Procon fiscaliza a prática abusiva e não os preços em si, pois não existe tabelamento para os valores cobrados. É entendido como prática abusiva quando há um aumento injustificado dos preços repassados ao consumidor.

Para fazer a denúncia sobre os preços dos combustíveis e, consequentemente, combater a prática abusiva, é imprescindível que o consumidor documente com imagem do cupom fiscal ou, na falta dele, o máximo de informações sobre o estabelecimento como nome/bandeira, endereço, data de compra e preços praticados– se possível com fotos.

A partir do momento que o Procon-SP receber a denúncia sobre os preços dos combustíveis será aberto procedimento para a apuração, comprovação e possível punição dos infratores. Primeiro as empresas são notificadas a apresentarem documentação sobre os preços de fornecedores e os praticados, além da justificativa para o aumento dos preços. Após análise da documentação, o estabelecimento poderá ser multado com base no seu faturamento.

Pata fazer a denúncia sobre preços dos combustíveis clique aqui

Fiscalização nos postos de combustíveis

Portaria que orienta os Procons na fiscalização dos postos de combustíveis sobre o desconto no litro do diesel foi publicado no Diário Oficial da União (6/6) pelo Ministério da Justiça.

A portaria define que os fiscais dos Procons poderão exigir dos postos as notas fiscais da venda do combustível por parte das distribuidoras e de revenda ao consumidor para constarem se o desconto foi aplicado. Caso não tenha havido o repasse, os Procons irão instaurar processo administrativo. Se os postos não fornecerem as informações, os Procons devem acessá-las no banco de dados de fiscalização da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

As punições para os postos que não concederem o desconto na bomba serão multa, suspensão temporária da atividade, interdição ou mesmo ter a licença do estabelecimento cassada. As punições poderão ser aplicadas inclusive cumulativamente, conforme a gravidade da infração, e serão decididas após abertura de procedimento administrativo.

Fonte: Procon-SP/Diário Oficial da União

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

2 respostas

  1. Boa tarde
    Por favor , manda fiscais aqui na minha cidade . Matão sp
    É incompreensível aceitar os preços praticados aqui , pois nas cidades visinhas os preços estão em torno de 33% mais baratos . Não da para entender

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore